Ir para o conteúdo

Prefeitura de Lourdes
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Legislação
ARRASTE PARA VER MAIS
INTERAÇÃO
Anotação
Marcação
BUSCA
Expressão
EXPORTAÇÃO
Código QR
Baixar
Compartilhar
COLABORE
Reportar Erro
QRCode
Acesse na íntegra
LEI Nº 12/1993, 04 DE JANEIRO DE 1993
Alterada

LEI N. º 12/93


Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências.


Yalmo Querino da Silva, Prefeito Municipal de Lourdes, Estado de São Paulo, no exercício de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara aprova e ele sanciona e promulga a seguinte Lei:


Art. 1º - Finca instituído o Fundo Municipal de Saúde, que tem por objetivo criar condições financeiras e gerência de recursos destinados ao desenvolvimento das ações de saúde, que compreendem:


I – o atendimento à saúde universalizado, integral, regionalizado e hierarquizado;

II – a vigilância sanitária;

III – a vigilância epidemiológica e ações de saúde de interesse individual e coletivo correspondentes;

IV – controle e a fiscalização das agressões ao meio ambiente, nele compreendido o ambiente de trabalho, em comum acordo com as organizações competente das esferas federal e estadual.


Seção I

Da Subordinação do Fundo


Art. 2º - O Fundo Municipal de Saúde ficará subordinado diretamente ao Secretário Municipal de Saúde, do Gabinete do Prefeito Municipal.


Art. 2º - O Fundo Municipal de Saúde ficará subordinado diretamente ao Diretor Municipal de Saúde, do Gabinete do Prefeito Municipal. (Alterado pela Lei n. º 413/99)


Seção II

Das Atribuições do Secretário Municipal de Saúde


Seção II

Das Atribuições do Diretor Municipal de Saúde

(Alterada pela Lei n. º 413/99)


Art. 3º - São atribuições do Secretário Municipal de Saúde, ou de quem for indicado pelo Chefe do Executivo para tal encargo:


Art. 3º - São atribuições do Diretor Municipal de Saúde, ou de quem for indicado pelo Chefe do Executivo para tal encargo:

(Alterado pela Lei n. º 413/99)


I – gerir o Fundo Municipal de Saúde e estabelecer políticas de aplicação de seus recursos, em conjunto com o Conselho Municipal de Saúde;

II – acompanhar, avaliar e decidir sobre a realização das ações previstas no Plano Municipal de Saúde;

III – submeter ao Conselho Municipal de Saúde o plano de aplicação a cargo do Fundo, em consonância com o Plano Municipal de Saúde e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias;

IV – submeter ao Conselho Municipal de Saúde as demonstrações mensais de receita e despesa do Fundo;

V – encaminhar à Contabilidade Geral do Município as demonstrações mencionadas no inciso anterior;

VI – subdelegar competências aos responsáveis pelos estabelecimentos de prestação de serviços de saúde que integram a rede municipal;

VII – assinar cheques com o responsável pela Tesouraria, quando for o caso;

VII – assinar cheques com o responsável pela tesouraria;

(Alterado pela Lei n. º 413/99)

VIII – ordenar empenhos e pagamentos das despesas do Fundo;

IX – firmar convênios e contratos, inclusive de empréstimos, junto com o Prefeito, referentes a recursos que serão administrados pelo Fundo.


Seção III

Da Coordenação do Fundo


Art. 4º - São atribuições do Coordenador do Fundo Municipal de Saúde:


I – preparar as demonstrações mensais da receita e da despesa a serem encaminhadas ao Secretário Municipal de Saúde;

II – manter os controles necessários à execução orçamentária do Fundo referentes a empenhos, liquidação e pagamento das despesas e aos recebimentos das receitas do Fundo;

III – manter, em coordenação com o setor de patrimônio da Prefeitura Municipal, os controles necessários sobre os bens patrimoniais com carga ao Fundo;

IV – encaminhar à Contabilidade Geral do Município:


a) mensalmente, as demonstrações de receitas e despesas;

b) trimestralmente, os inventários de estoques de medicamentos e de instrumentos médicos;

c) anualmente, o inventário dos bens móveis e imóveis e o balanço geral do Fundo;


V – firmar, com o responsável pelos controles da execução orçamentária, as mencionadas demonstrações;

VI – preparar os relatórios de acompanhamento da realização das ações de saúde para serem submetidas ao Secretário Municipal de Saúde;

VI – preparar os relatórios de acompanhamento da realização das ações de saúde para serem submetidas ao Diretor Municipal de Saúde; (Alterado pela Lei n. º 413/99)

VII – providenciar, junto à Contabilidade Geral do Município, as demonstrações que indiquem a situação econômico-financeira geral do Fundo Municipal de Saúde;

VIII – apresentar ao Secretário Municipal de Saúde a avaliação da situação econômica-financeira do Fundo detectada nas demonstrações mencionadas;

VIII – apresentar ao Diretor Municipal de Saúde a avaliação da situação econômica-financeira do Fundo detectada nas demonstrações mencionadas; (Alterado pela Lei n. º 413/99)

IX – manter os controles necessários sobre convênios ou contratos de prestação de serviços pelo setor privado e dos empréstimos feitos para a saúde;

X – encaminhar, mensalmente, ao Secretário Municipal de Saúde relatórios de acompanhamento e avaliação da produção de serviços prestados pelo setor privado, na forma mencionada no inciso anterior;

X – encaminhar, mensalmente, ao Diretor Municipal de Saúde relatórios de acompanhamento e avaliação da produção de serviços prestados pelo setor privado, na forma mencionada no inciso anterior; (Alterado pela Lei n. º 413/99)

XI – manter o controle e a avaliação da produção das unidades integrantes da rede municipal de saúde;

XII – encaminhar, mensalmente, ao Secretário Municipal de Saúde relatórios de acompanhamento e avaliação de produção de serviços prestados pela rede municipal de saúde.

XII – encaminhar, mensalmente, ao Diretor Municipal de Saúde relatórios de acompanhamento e avaliação de produção de serviços prestados pela rede municipal de saúde. (Alterado pela Lei n. º 413/99)

Seção IV

Dos Recursos do Fundo

Subseção I

Dos Recursos Financeiros


Art. 5º - São receitas do Fundo:


I – as transferências oriundas do orçamento da Seguridade Social, como decorrência do que dispõe o art. 30, VII, da Constituição Federal;

II – os rendimentos e os juros provenientes de aplicação financeiras;

III – o produto de convênios firmados com outras entidades financeiras, financiadoras;

IV – o produto da arrecadação de multas e juros de mora por infrações ao Código Sanitário Municipal, bem como parcelas de arrecadação de outras taxas já instituídas e daquelas que o Município vier a criar;

V – as parcelas do produto da arrecadação de outras receitas próprias oriundas das atividades econômicas, de prestação de serviços e de outras transferências que o Município tenha o direito a receber por força de lei e de convênios no setor;

VI – doações em espécie feitas diretamente para o Fundo.


Parágrafo 1º - As receitas descritas neste artigo serão depositadas obrigatoriamente em conta especial a ser aberta e mantida em agência de estabelecimento oficial de crédito.


Parágrafo 2º - A aplicação dos recursos de natureza financeira dependerá:


I – da existência de disponibilidade em função do cumprimento de programação;

II – de prévia aprovação do Secretário Municipal de Saúde.

II – de prévia aprovação do Diretor Municipal de Saúde. (Alterado pela Lei n. º 413/99)


Subseção II


Art. 6º - Constituem ativos do Fundo:


I – disponibilidades monetárias, em bancos ou em caixa especial, oriundas das receitas especificadas;

II – direitos que porventura vierem a constituir;

III – bens móveis e imóveis doados, com ou sem ônus, destinados ao sistema de saúde do Município;

IV – bens móveis e imóveis doados, com ou sem ônus, destinados ao sistema de saúde;

V – bens móveis e imóveis destinados à administração do sistema de saúde do Município.


Parágrafo único – Processar-se-á anualmente o inventário dos bens e direitos vinculados ao Fundo.


Subseção III


Art. 7º - Constituem passivos do Fundo Municipal de Saúde as obrigações de qualquer natureza que porventura o Município venha a assumir para a manutenção e o funcionamento do sistema municipal de saúde.


Seção V

Do Orçamento e da Contabilidade

Subseção I

Do Orçamento


Art. 8º - O orçamento do Fundo Municipal de Saúde evidenciará as políticas e o programa de trabalho governamentais, observados o Plano Plurianual e a Lei de Diretrizes Orçamentárias, e os princípios de universalidade e do equilíbrio.


Parágrafo 1º - O orçamento do Fundo Municipal de Saúde integrará o orçamento do Município, em obediência ao Princípio da unidade.


Parágrafo 2º - O orçamento do Fundo Municipal de Saúde observará, na sua elaboração e na sua execução, os padrões e normas estabelecidos na legislação pertinente.


Subseção II

Da Contabilidade


Art. 9º - A contabilidade do Fundo Municipal de Saúde tem por objetivo evidenciar a situação financeira, patrimonial e orçamentário do sistema municipal de saúde, observados os padrões e normas estabelecidos na legislação regente.


Art. 10 – A contabilidade será organizada de forma a permitir o exercício das suas funções de controle prévio, concomitante e subseqüente, e de informar, inclusive de apropriar e apurar custos dos serviços, e, consequentemente, de concretizar o seu objetivo, bem como interpretar e analisar os resultados obtidos.


Art. 11 – A escrituração contábil será feita pelo método das partidas dobradas.


Parágrafo 1º - A Contabilidade emitirá relatórios mensais da gestão, inclusive dos custos dos serviços.


Parágrafo 2º - Entende-se por relatórios de gestão os balancetes mensais de receita e de despesa do Fundo e demais demonstrações exigidas pela Administração e pela Lei.


Parágrafo 3º - As demonstrações e os relatórios produzidos passarão a integrar a Contabilidade Geral do Município.


Seção VI

Da Execução Orçamentária

Subseção I

Da Despesa


Art. 12 – Imediatamente após a promulgação da Lei do Orçamento, o Secretário Municipal de Saúde aprovará o quadro de cotas trimestrais que serão distribuídas entre as unidades executoras do sistema municipal de saúde.


Art. 12 – Imediatamente após a promulgação da Lei do Orçamento, o Diretor Municipal de Saúde aprovará o quadro de cotas trimestrais que serão distribuídas entre as unidades executoras do sistema municipal de saúde. (Alterado pela Lei n. º 413/99)


Art. 13 – Nenhuma despesa será realizada sem a necessária autorização orçamentária.


Parágrafo único – Para os casos de insuficiências e omissões orçamentárias poderão ser utilizados os créditos adicionais suplementares e especiais autorizados por lei e abertos por decreto do Executivo.


Art. 14 – A despesa do Fundo Municipal de Saúde constituir-se-á de:


I – financiamento, total ou parcial, de programas integrados de saúde desenvolvidos pela Secretaria ou com ela conveniados;

II – pagamento de vencimentos, salários e gratificações ao pessoal dos órgãos ou entidades de administração direta ou indireta que participem da execução das ações previstas no art. 1º da presente Lei;

III – pagamento pela prestação de serviços a entidades de direito privado para execução de programas ou projetos específicos do setor saúde, observado o disposto no parág. 1º, art. 199, da Constituição Federal;

IV – aquisição de material permanente e de consumo, e de outros insumos necessários ao desenvolvimento dos programas;

V – construção, reforma, ampliação, aquisição ou locação de imóveis para adequação da rede física de prestação de serviços de saúde;

VI – desenvolvimento e aperfeiçoamento dos instrumentos de gestão, planejamento, administração e controle das ações de saúde;

VII – desenvolvimento de programas de capacitação e aperfeiçoamento de recursos humanos em matéria de saúde;

VIII – atendimento de despesas diversas, de caráter urgente e inadiável, necessárias à execução das ações e serviços de saúde de que trata o art. 1º desta Lei.


Subseção II


Art. 15 – A execução orçamentária das receitas se processará através da obtenção de seu produto nas fontes determinadas nesta Lei.


Seção VII

Das Disposições Finais


Art. 16 – O saldo financeiro do exercício, apurado em balanço, poderá ser utilizado em exercício subseqüente, se incorporado ao orçamento do Fundo.


Art. 17 – As prestações de contas relativas ao Fundo Municipal de Saúde integração a prestação de contas da respectiva entidade ou unidade gestora, em demonstrativo distinto e periodicidade convencionada, com os seguintes elementos:


1 – relação dos agentes responsáveis, indicado nome, cargo ou função, n. do CPF e período de gestão compreendendo: dirigente máximo, membros do órgão colegiado responsável por atos e gestão definidos em lei, substitutos dos responsáveis no exercício;

2 – cópia do ato que fixou a gestão ou execução do fundo;

3 – relatório de gestão;

4 – cópia das alterações das normas que regulam a gestão do Fundo, ocorridas no exercício, se for o caso;

5 – demonstrativo dos créditos autorizados e ou da despesa empenhada liquidada;

6 – demonstrativo da despesa empenhada liquidada;

7 – balancete financeiro;

8 – demonstração das variações patrimoniais;

9 – parecer dos órgãos internos, se houver, que devam dar seu pronunciamento sobre as contas.


Art. 18 – O Chefe do Executivo regulamentará por decreto, apresente lei.


Art. 19 – Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias.


YALMO QUERINO DA SILVA - PREFEITO


Publicada por afixação em lugar público de costume, registrada nesta secretaria na data supra.



PEDRO LUIZ SERAFIM PINTO - SECRETÁRIO




* Nota: O conteúdo disponibilizado é meramente informativo não substituindo o original publicado em Diário Oficial.
Minha Anotação
×
LEI Nº 12/1993, 04 DE JANEIRO DE 1993
Código QR
LEI Nº 12/1993, 04 DE JANEIRO DE 1993
Reportar erro
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia