Ir para o conteúdo

Prefeitura de Lourdes
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Legislação
ARRASTE PARA VER MAIS
INTERAÇÃO
Anotação
Marcação
BUSCA
Expressão
EXPORTAÇÃO
Código QR
Baixar
Compartilhar
COLABORE
Reportar Erro
QRCode
Acesse na íntegra
LEI Nº 265/1996, 06 DE FEVEREIRO DE 1996
Alterada

LEI N. º 265/96


Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Educação e do Fundo Municipal a ele vinculado e dá outras providências.


Yalmo Querino da Silva, prefeito municipal de Lourdes, Comarca de Buritama, Estado de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei,


Faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte lei:


Artigo 1º - Fica criado o Conselho Municipal de Educação do Município de Lourdes, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento das ações do Setor de Ensino Infantil e Fundamental e para assegurar os direitos da criança, dos adolescentes e da juventude do Município, nos moldes e orientações emanados de leis superiores que regem e disciplinam o assunto, especialmente, de Secretaria de Estado dos Negócios da Educação do Governo do Estado de São Paulo.


Artigo 2º - Fica, igualmente, criado o Fundo Municipal de Educação do Município de Lourdes, destinado a propiciar apoio e suporte financeiro a implementação de programas de educação infantil e fundamental, com recursos oriundos de repasses efetuados pelo Ministério da Educação e Cultura, de Secretaria de Estado dos Negócios da Educação do Estado de São Paulo e dotações de verbas próprias consignadas no Orçamento do Município.


Artigo 3º - O Conselho Municipal de Educação de Lourdes será composto de 11 (onze) conselheiros e igual número de suplentes.


Parágrafo 1º - Serão membros natos do Conselho o Prefeito Municipal a quem caberá a Presidência, o Secretário Municipal da Educação e o Assistente de Diretor de Escola efetivo da EEPSG “Pio Antunes de Figueiredo” de Lourdes.


Parágrafo 2º - Os demais membros, em número de 8 (oito) e respectivos suplentes, inclusive os membros natos, serão nomeados pelo Prefeito Municipal, mediante portaria, indicados pelas instituições públicas e privadas e pelos seguimentos da sociedade civil do Município e terão um mandato de 2 (dois) anos, sem remuneração, facultada a recondução.


Artigo 3º - O Conselho Municipal de Educação de Lourdes será composto de sete (7) conselheiros e igual número de suplentes.


§ 1º - Será membro nato do Conselho Municipal o Secretário Municipal de Educação.


§ 2º - Os demais membros, em número de seis (6), e respectivos suplentes, inclusive o membro nato, indicados pelas instituições públicas e privadas e pelos seguimentos da sociedade civil do município, serão nomeados pelo Prefeito Municipal, mediante portaria, para mandato de dois (2) anos, permitida a recondução.

(Redação dada pela Lei n. º 421/99)


Artigo 4º - Terão direito a voto os conselheiros natos e os nomeados, desde que estejam presentes a votação, ficando terminantemente proibido o voto por delegação ou procuração.


Artigo 5º - A todos os conselheiros será concedido direito de licença, ou para tratar de assuntos particulares ou para tratamento de saúde, desde que requerido à Presidência do Conselho em tempo hábil ou que haja motivo justificado para a ausência.


Parágrafo Único - Nos casos previstos neste artigo, assumirá o respectivo suplente pelo período de licença ou afastamento do titular, cedendo-lhe o cargo tão logo este reassuma.


Artigo 6º - Cada membro do Conselho Municipal de Educação terá o direito de apresentar sugestões e colocar à apreciação dos demais membros inovações que visem ao aprimoramento das atividades educacionais do Município, desde que estejam de conformidade com a didática e a proposta pedagógica e que atendam aos objetivos do Plano Estadual de Educação.


Artigo 7º - Ao Conselho Municipal de Educação do Município de Lourdes compete a atribuição da estrutura administrativa, financeira e técnica do colegiado e, ainda, as seguintes atribuições básicas dos Conselhos Municipais de Educação:


I - fixar diretrizes para a organização do sistema municipal de ensino ou para o conjunto das escolas municipais;

II - colaborar com o poder público municipal na formulação da política e na elaboração do Plano Municipal de Educação;

III - zelar pelo cumprimento das disposições constitucionais, legais e normativas em matéria de educação;

IV - exercer atribuições próprias do poder público local, conferidas em lei, em matéria educacional;

V - exercer, por delegação, competências próprias do poder público estadual, em matéria educacional;

VI - assistir e orientar os poderes públicos na condução dos assuntos educacionais do Município;

VII - aprovar convênios de ação inter-administrativa que envolvam o poder público municipal e as demais esferas do poder público ou do setor privado;

VIII - propor normas para a aplicação de recursos públicos, em educação, no Município;

IX - propor medidas do poder público municipal no que tange à efetiva assunção de suas responsabilidades em relação ã educação infantil e ao ensino fundamental;

X - propor critérios para o funcionamento dos serviços escolares de apoio ao educando (merenda escolar, transporte de alunos e outros);

XI – pronunciar-se no tocante a instalação e funcionamento de estabelecimento de ensino de todos os níveis situados no Município;

XII - opinar sobre assuntos educacionais, quando solicitados pelo poder público;

XIII - identificar problemas no campo educacional e formular propostas de solução em nível local;

XIV - incentivar a ação coordenada de pesquisa e aprimoramento do ensino pré-escolar e fundamental;

XV - colaborar no planejamento municipal, elaborando planos e programas de extensão e desenvolvimento do ensino no Município;

XVI - manter intercâmbio com entidades públicas vinculadas à pesquisa, visando ao melhor aproveitamento de ensino e soluções aos problemas sociais locais;

XVII - informar e divulgar dados, ações e atividades relacionadas com o Conselho;

XVIII - elaborar e alterar o seu Regimento Interno.


Artigo 8º - As reuniões do Conselho Municipal de Educação serão públicas e seus atos deverão ser amplamente divulgados.


Artigo 9º - A Instalação do Conselho Municipal de Educação e a nomeação dos conselheiros ocorrerão no prazo máximo de 15 (quinze) dias, contados da data da publicação desta lei.


Parágrafo único - No prazo máximo de 60 (sessenta) dias, o Conselho elaborará seu Regimento Interno, ou Estatuto, que deverá ser aprovado pelos conselheiros e estabelecido por decreto Executivo.


Artigo 10 - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.


Yalmo Querino da Silva

Prefeito Municipal


Publicada, por afixação em lugar público e de costume, registrada nesta Secretaria na presente data.


Eliete Regina Rezende Alcântara

Secretária Municipal

* Nota: O conteúdo disponibilizado é meramente informativo não substituindo o original publicado em Diário Oficial.
Minha Anotação
×
LEI Nº 265/1996, 06 DE FEVEREIRO DE 1996
Código QR
LEI Nº 265/1996, 06 DE FEVEREIRO DE 1996
Reportar erro
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia