Ir para o conteúdo

Prefeitura de Lourdes
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Legislação
ARRASTE PARA VER MAIS
INTERAÇÃO
Anotação
Marcação
BUSCA
Expressão
EXPORTAÇÃO
Código QR
Baixar
Compartilhar
COLABORE
Reportar Erro
QRCode
Acesse na íntegra
LEI Nº 495/2001, 19 DE ABRIL DE 2001
Alterada

LEI N° 495/01



Institui o Programa de Garantia de Renda Mínima associado a ações sócio-educativas, e determina outras providências.


O Prefeito Municipal de Lourdes:


Faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei:


Art. 1° - Fica instituído, no âmbito deste município, o Programa de Garantia de Renda Mínima associado a ações sócio-educativas.


§ 1° - São beneficiárias do programa instituído por esta Lei as famílias com renda familiar per capta até noventa reais mensais, que possuam sob sua responsabilidade crianças com idade entre seis e quinze anos, matriculadas em estabelecimentos de ensino fundamental regular, com freqüência escolar igual ou superior a oitenta e cinco por cento.


§ 2° Para os fins do parágrafo anterior, considera-se:


I - família a unidade nuclear, eventualmente ampliada por outros indivíduos que com ela possuam laços de parentesco, que forme um grupo doméstico, vivendo sob o mesmo teto e mantendo sua economia pela contribuição de seus membros;

II - para enquadramento na faixa etária, a idade da criança, em números de anos completados até o primeiro dia do ano no qual se dará a participação financeira da União; e

III - para determinação da renda familiar per capta, a soma dos rendimentos brutos auferidos pela totalidade dos membros da família dividida pelo número de seus membros.


§ 3° - O Poder Executivo poderá reajustar o limite de renda familiar per capta fixado no § 1°, desde que atendidas todas as famílias compreendidas na faixa original.


Art. 2° - O programa instituído por esta Lei tem como objetivo incentivar e viabilizar a permanência das crianças beneficiárias na rede escolar de ensino fundamental, por meio de ações sócio-educativas de apoio aos trabalhos escolares, de alimentação e de práticas desportivas e culturais em horário complementar ao das aulas.


§ 1° - O Poder Executivo definirá as ações específicas a serem desenvolvidas ou patrocinadas pela municipalidade para o atingimento dos objetivos do programa.


§ 2° As despesas decorrentes do disposto no parágrafo anterior correrão à conta dos orçamentos dos órgãos encarregados de sua implementação.


Art. 3° - Fica o Poder Executivo municipal autorizado a formalizar a adesão ao Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à educação - “Bolsa-Escola”, instituído pelo Governo Federal.


§ 1° - Fica o Poder Executivo municipal igualmente autorizado a assumir, perante a União, as responsabilidades administrativas e financeiras decorrentes da adesão ao referido programa.


§ 2° - Compete a Divisão Municipal de Assistência Social desempenhar as funções de responsabilidade do município em decorrência da adesão ao Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à educação - “Bolsa-Escola”.


Art. 4° - Fica instituído o Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Programa de Garantia de Renda Mínima, com as seguintes competências:


I - Acompanhar e avaliar a execução das ações definidas na forma do § 1° do art. 2°;

II - Aprovar a relação das famílias cadastradas pelo Poder Executivo municipal como beneficiárias do programa;

III - Aprovar os relatórios trimestrais de freqüência escolar das crianças beneficiárias;

IV - Estimular a participação comunitária no controle de execução do programa no âmbito municipal;

V - Desempenhar as funções reservadas no Regulamento do Programa Nacional de Renda Mínima - “Bolsa-Escola”;

VI - Elaborar, aprovar e modificar o seu regimento interno; e

VII - Exercer outras atribuições estabelecidas em normas complementares.


§ 1° - O conselho instituído nos termos deste artigo terá 16 membros, nomeados pelo chefe do Poder Executivo, por indicação das seguintes entidades:


I - 2 representantes da Educação;

II - 2 representantes do Conselho Tutelar;

III - 2 representantes de Entidades Religiosas;

IV - 2 representantes da saúde;

V - 2 representantes dos usuários;

VI - 2 representantes da Associação de Pais e Mestres;

VII - 2 representantes do Fundo Social de Solidariedade;

VIII - 2 representantes da Associação de Produtores Rurais.


§ 2º - A participação no Conselho, instituído nos termos deste artigo, não será remunerada, ressalvado o ressarcimento das despesas necessárias à participação nas reuniões.


§ 3º - É assegurado ao Conselho, de que trata este artigo, o acesso a toda documentação necessária ao exercício de suas competências.

(Acrescentados pela Lei n. º 509/01)


Art. 5° - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.


Lourdes, 19 de abril de 2001.


Odécio Rodrigues da Silva

Prefeito Municipal


Publicada por afixação em lugar público e de costume, e registrada nesta Secretaria na data supra.



Eliete Regina Rezende de Alcântara (Secretária Municipal)

* Nota: O conteúdo disponibilizado é meramente informativo não substituindo o original publicado em Diário Oficial.
Minha Anotação
×
LEI Nº 495/2001, 19 DE ABRIL DE 2001
Código QR
LEI Nº 495/2001, 19 DE ABRIL DE 2001
Reportar erro
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia